sábado, junho 10

PARABÉNS PORTUGAL!

Portugal, hoje é o teu dia! Hoje é o nosso dia! Hoje é o dia de Camões e da nossa língua! Quanto ORGULHO ter em mim parte da tua alma, a mesma que nos levou para paraísos onde outros pensavam só haver o abismo. Duvidaram de ti, de nós, e ainda são poucos os que sabem reconhecer a tua, a nossa, grandeza, mas como disse Camões um dia "Melhor é, merecê-los sem os ter,/Que possuí-los sem os merecer." 

Para que nunca nos esqueçamos de ver sempre mais além:

"Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver do Universo...
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer,
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver."

Fernando Pessoa

p.s com muita saudade - a) substantivo feminino
                                                  b) sem tradução
                                                   c) com significado de quem já não te vê há muito tempo 


sexta-feira, maio 5

Nulla Succede Per Caso!

6.30h. Se não houve nenhum atraso e correu tudo dentro da normalidade, neste momento estou a levantar voo. Literalmente. Próxima paragem: Milão!

“Nada acontece por acaso!”  - Esta frase começou a fazer sentido na minha vida há alguns anos com a pessoa que daqui a algumas horas também levantará voo em direcção ao mesmo destino.

Hoje faz 2 anos que apanhei o avião em Lisboa para começar tudo de novo em Liverpool, e agora aqui estou eu de novo nas nuvens. Desta vez é apenas para uma viagem de fim-de-semana (prolongado), mas com muitas aventuras à vista.
Se nada acontece por acaso haverá certamente uma razão para estar a viajar de novo exactamente 2 anos depois de uma das maiores mudanças dos meus últimos anos, mas isso saberei na altura certa em que tiver de ligar os pontos. A data, essa foi escolhida por mim completamente ao acaso e só mais tarde me apercebi da “coincidência”, mas comecemos pelo início.

Um belo dia estava eu a tomar banho (onde me surgem as ideias mais estapafúrdias, ou extraordinárias, depende do ponto de vista) quando pensei que realizar uma viagem com 2 das amigas que me acompanham desde sempre podia ser uma forma muito bonita de nos mantermos ligadas. Desde que vim para Liverpool, a Sofia foi para Roterdão e a Cláudia ficou em Lisboa, andamos sempre desencontradas e raramente estou com elas individualmente, já para não falar que não estamos as três juntas há muito, muito tempo.
Fiquei com a responsabilidade de escolher uma cidade, uma data, tratar de tudo e assim o fiz. Procurei algo que fosse comum para as três, visto que cada uma iria partir de um local diferente. Dentro das opções estava esta: Milão, 5 a 8 de Maio. Todas estavam inclinadas para esta mesmo sendo surpresa, acabei por revelar e concordaram. Estava escolhido.

Foi ao comentar com um colega, e ao mencionar em inglês a data em que ia viajar, que me apercebi que era a mesma data em que aqui tinha chegado. Sorri e comentei. Ele disse "Se calhar também ficas lá de vez!". Não está nos meus planos, mas que tem graça, lá isso tem!

Infelizmente a Sofia não pôde vir, mas tenho a certeza que virão muitos mais voos para nós! Afinal nulla succede per caso!

Ciao

sexta-feira, abril 28

A quem nos quer bem!

“Talvez não tenhamos começado isto da melhor forma. O início. Afinal nunca falámos directamente do porquê de vos termos deixado.”



Os projectos são e serão sempre para mim, e acho que posso falar também em nome da Sofia, algo excitante que nos deixa muito entusiasmadas e com vontade de fazer tudo aqui e agora. A verdade é que tenho vindo a perceber que nada se faz aqui e agora. As coisas levam tempo a acontecer e por mais que possamos correr, a vida tem sempre uma velocidade preparada para que as coisas nos aconteçam num determinado momento.

Quando partimos nesta aventura não sabíamos bem o que íamos encontrar, ou pelo que íamos passar, mas esperávamos encontrar aqui uma forma de transformar algum stress e excitação em algo produtivo. Certo é, que uma mudança tem tanto de empolgante quanto de assustador e nem sempre é fácil encontrarmos o nosso momento para exteriorizar tudo aquilo que nos acontece diariamente.

Talvez não tenhamos começado isto da melhor forma. O princípio. Afinal nunca falámos directamente do porquê de vos termos deixado. Aqui vai:

sexta-feira, outubro 23

Made in Portugal #4




Já aqui apresentámos diferentes estilos mas ainda não tínhamos trazido fado. O Nosso fado. Eu adoro a Cuca Roseta, que parece ser a mulher dos sete ofícios. Cantar é definitivamente o seu melhor lado. Este "Amor Ladrão" é um fado alegre e bem-disposto. Eu cá adoro. E a língua portuguesa soa sempre bem :-)

quinta-feira, outubro 15

We are back



Não a Lisboa, mas ao blog. Este post vem de uma repentina vontade de escrever. O blog tem estado ao abandono, sim. Nós pedimos desculpa. Mas uma coisa que eu aprendi com mudanças é que não são fáceis. A minha vinda para Roterdão não foi fácil. Foi uma decisão que demorei cerca de 2 anos a tomar. E contra tudo e todos, aqui estou. Muito feliz, sim. Cansada também. Com vontade de dormir por uma semana, sim. Com muitas saudades da minha cidade, do meu sol e das minhas pessoas. A verdade é que pensei que seria mais difícil. Pensei que ia chorar muito e que ia sentir saudades de muita coisa. Ainda não chorei mas tenho saudades dos meus, da minha Lisboa, das minhas ruas estreitas, de conduzir, de ver a ponte 25 de abril, de ver os barcos, de andar de metro. Tenho muitas saudades de Portugal e ainda só estou aqui há quase 2 meses. Português é assim: saudosista. Temos saudades de tudo, até do que não nos fez bem. Mas a vida também é isto e aqui, em Roterdão, também faz sol (um milagre), as pessoas também são simpáticas, também há rio, também há barcos. Só não há esta vista linda que só a gente tem.